Mulheres em toda a América Latina marcham a favor do direito ao aborto

No início deste mês, a Suprema Corte do México declarou ser inconstitucional criminalizar o aborto e, pouco depois, o governo disse que as pessoas presas sob acusações de terem interrompido a gravidez seriam libertadas.

AbortoManifestantes participam de manifestação em defesa dos direitos ao aborto em frente ao Palácio da Justiça, sede da Suprema Corte do Peru, no Dia Internacional do Aborto Seguro em Lima, Peru (Reuters)

Milhares de mulheres se manifestaram em várias cidades latino-americanas na terça-feira para comemorar o dia global de ação pelo acesso ao aborto seguro e legal, em uma região onde o procedimento é totalmente permitido apenas em alguns países.

Na Cidade do México, as mulheres marcharam para o centro histórico sob o olhar da polícia com escudos e capacetes de choque. As autoridades colocaram cercas de proteção em alguns edifícios e monumentos importantes que no passado foram pintados com spray durante as manifestações.

Ainda não sei se quero ser mãe, mas quero ter o direito de decidir, leu uma placa segurada por uma jovem com um lenço verde no pescoço.

No início deste mês, a Suprema Corte do México declarou ser inconstitucional criminalizar o aborto e, pouco depois, o governo disse que as pessoas presas sob acusação de ter interrompido a gravidez seriam libertadas.

Centenas de outras mulheres marcharam em outras partes do México, inclusive nas cidades de Cuernavaca e Veracruz. Todos os anos, milhares de mulheres na América Latina morrem de abortos inseguros em um momento em que a gravidez na adolescência e a violência sexual continuam a aumentar na região.

Na Colômbia, onde o aborto é permitido apenas em casos de estupro, riscos à vida da mãe ou defeitos de nascença, cerca de 800 mulheres marcharam em direção ao centro de Bogotá.

As mulheres estão lembrando aos Estados e às sociedades que somos cidadãs plenos, não de segunda classe, e que temos o direito de abortar, de interromper voluntariamente a gravidez, de decidir sobre nosso corpo, nossa vida e nossas maternidades, disse Ita Maria Diez, líder da manifestação em Bogotá.

Uma marcha também foi realizada no Chile, onde a câmara baixa do Congresso concordou em debater um projeto de lei para descriminalizar o aborto por até 14 semanas após a gravidez.

Dezenas de pessoas em El Salvador agitaram bandeiras verdes e marcharam por San Salvador a caminho do Congresso para exigir o afrouxamento das rígidas leis de aborto do país.

Segurando faixas dizendo que é nosso direito decidir sobre o aborto legal, seguro e gratuito, os manifestantes salvadorenhos procuraram pressionar os legisladores para facilitar uma das leis de aborto mais rígidas do mundo, que proíbe a interrupção da gravidez em casos de estupro e até mesmo em caso de morte da mãe. em risco.

As propostas levadas ao Congresso salvadorenho foram batizadas de Reforma Beatriz, em homenagem a uma jovem que em 2013 clamou abertamente pelo aborto para salvar sua vida por sofrer de uma doença crônica, que a matou quatro anos depois.

Estamos pedindo medidas mínimas a serem adicionadas ao Código Penal para garantir a vida e a integridade das mulheres, disse a jornalistas Morena Herrera, uma destacada feminista salvadorenha.

Não requer reforma constitucional. Pode ser feito agora e se for verdade que há independência de poderes, a Assembleia Legislativa deve responder, acrescentou.

O presidente salvadorenho, Nayib Bukele, no início deste mês, descartou quaisquer emendas às leis de aborto como parte das polêmicas mudanças constitucionais que seu governo está planejando.

Mas várias das mais de 20 nações latino-americanas ainda proíbem o aborto totalmente, incluindo El Salvador, que condenou algumas mulheres a até 40 anos de prisão.