Seis países suspendem adesão ao bloco regional da UNASUL

Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Paraguai e Peru haviam decidido deixar temporariamente a União das Nações Sul-Americanas, ou UNASUL, devido às diferenças na escolha do secretário-geral do grupo.

Um bloco sul-americano criado há uma década para conter a influência dos EUA na região perdeu temporariamente metade de seus membros depois que seis países suspenderam suas adesões em meio a divergências sobre quem deveria liderar o grupo.

O chanceler boliviano, Fernando Huanacuni, disse sexta-feira que Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Paraguai e Peru decidiram sair temporariamente da União das Nações Sul-Americanas, ou UNASUL, devido às divergências na escolha do secretário-geral do grupo.

Recebemos uma nota dos seis países dizendo que não participarão das reuniões da UNASUL por um período de um ano até que a questão da liderança seja resolvida, disse Huanacuni por telefone do Equador à televisão estatal Boliviatv.

A chancelaria do Paraguai afirmou em nota que a impossibilidade de eleger um secretário-geral da Unasul afeta o bloco e que os seis países que ficarão de fora até verem resultados concretos que garantam seu funcionamento. Huanacuni anunciou uma reunião em maio para discutir o assunto.

A UNASUL foi promovida pelo falecido presidente venezuelano Hugo Chávez. Bolívia, Equador, Guiana, Suriname, Uruguai e Venezuela permanecem no bloco.